domingo, 26 de abril de 2009

O Evangelho Maltrapilho - Parte I

Creio que a Reforma realmente começou no dia em que Martinho Lutero orou sobre o significado das palavras de Paulo em Romanos 1:17: “visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”.

Como muitos cristãos dos nossos dias, Lutero se debatia noite adentro com a questão fundamental: de que forma o evangelho de Cristo podia ser realmente chamado de “Boa Nova” se Deus é um juiz justo que retribui aos bons e pune os perversos?

Será que Jesus veio realmente revelar essa terrível mensagem? De que forma a revelação de Deus em Cristo Jesus poderia ser acuradamente chamada de “Nova”, já que o Antigo Testamento defendia o mesmo tema, ou de “Boa”, com a ameaça de punição suspensa como uma nuvem escura sobre o vale da história?

Porém, como observa Jaroslav Pelikan: “Lutero repentinamente chegou à percepção de que a “justiça de Deus” da qual Paulo falava nessa passagem não era a justiça pela qual Deus era justo em si mesmo (que seria uma forma passiva de justiça), mas a justiça pela qual, por causa de Jesus Cristo, Deus tornou justos pecadores (isto é, justiça ativa) através do perdão dos pecados na justificação. Quando descobriu isso, Lutero afirmou que os próprios portões do Paraíso haviam-se aberto para ele.

Que verdade atordoante!
“Justificação pela graça mediante a fé” é a frase erudita dos teólogos para o que Chesterton chamou certa vez de “amor selvagem de Deus”. Ele não é instável nem caprichoso; não conhece épocas de mudança. Deus tem um único posicionamento inflexível com relação a nós: ele nos ama. Ele é o único Deus jamais conhecido pelo homem que ama os pecadores. Falsos deuses – criados pelos homens – desprezam os pecadores, mas o Pai de Jesus ama a todos, não importa o que façam. Isso é naturalmente incrível demais para aceitar.

No entanto, a afirmação central da Reforma permanece: não por qualquer mérito nosso, mas pela sua bondade tivemos nosso relacionamento restaurado com Deus através da vida, da morte e da ressurreição do seu amado Filho. Essa é a boa nova, o evangelho da graça.
Mateus 9:9-13 captura um adorável vislumbre do evangelho da graça:

Jesus saiu dali e, no caminho, viu um cobrador de impostos, chamado Mateus, sentado no lugar onde os impostos eram pagos. Jesus lhe disse: - Venha comigo. Mateus se levantou e foi com ele. Mais tarde, enquanto Jesus estava jantando na casa de Mateus, muitos cobradores de impostos e outras pessoas de má fama chegaram e sentaram-se à mesa com Jesus e os seus discípulos. Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: - Por que é que o mestre de vocês come com os cobradores de impostos e com outras pessoas de má fama? Jesus ouviu a pergunta e respondeu: - Os que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. Vão e procurem entender o que quer dizer este trecho das Escrituras Sagradas: “Eu quero que as pessoas sejam bondosas e não que me ofereçam sacrifícios de animais”. Porque eu vim para chamar os pecadores e não os bons.

Eis aqui uma revelação fulgurante como a estrela da manhã: Jesus veio para os pecadores, para aqueles tão marginalizados quanto cobradores de impostos e para os enredados em escolhas sórdidas e sonhos desfeitos. Ele vem para executivos de corporações, sem-teto, superastros, fazendeiros, prostitutas, viciados, fiscais do Imposto de Renda, vítimas da AIDS e até mesmo vendedores de carros usados. Jesus não apenas conversa com essa gente, mas janta com eles – plenamente consciente de que sua comunhão à mesa com pecadores fará erguer as sobrancelhas dos burocratas religiosos que ostentam seus parâmetros e a insígnia da sua autoridade para justificar a sua condenação à verdade e sua rejeição ao evangelho da graça.

Jesus que perdoou os pecados do paralítico, reivindicando dessa forma autoridade divina, anuncia que convidou pecadores, e não os de justiça-própria, para sua mesa. O verbo grego usado aqui, Kalein, tem o sentido de chamar um convidado honrado para jantar.
Jesus afirma, com efeito, que o reino de seu Pai não é uma sub-divisão para os justos nem para os que sentem possuir o segredo de Estado da salvação. O Reino não é um condomínio fechado elegante com regras esnobes a respeito de quem pode viver ali dentro.

Não; ele é para um elenco mais numeroso de pessoas, mais rústico e menos exigente, que compreendem que são pecadores porque já experimentaram o efeito da luta moral.
São esses os pecadores convidados chamados por Jesus para se aproximarem com ele ao redor da mesa de banquete. Essa história permanece perturbadora para aqueles que não compreendem que homens e mulheres que são verdadeiramente preenchidos com a luz são aqueles que fitaram profundamente as trevas da sua existência imperfeita. Talvez tenha sido depois de meditar sobre essa passagem que Morton Kelsey escreveu: “A Igreja não é um museu para santos, mas um hospital para pecadores”.


A Boa Nova significa que podemos parar de mentir para nós mesmos. O doce som da graça admirável nos salva da necessidade do auto-engano. Ele nos impede de negar que, embora Cristo tenha sido vitorioso, a batalha contra a lascívia, a cobiça e o orgulho ainda ecoa dentro de nós. Na condição de pecador redimido, posso reconhecer com qual freqüência sou insensível, irritável, exasperado e rancoroso com os que me são mais próximos. Quando vou à igreja, posso deixar meu chapéu branco em casa e admitir que falhei. Deus não apenas me ama como eu sou, mas também me conhece como sou. Por causa disso não preciso aplicar maquiagem espiritual para fazer-me aceitável diante dele. Posso reconhecer a posse de minha miséria, impotência e carência.

Quando o evangelho da graça toma conta de nós, algo passa a estar muito certo. Vivemos na verdade e na realidade. Quando sou honesto, admito que sou um amontoado de paradoxos. Creio e duvido, tenho esperança e sinto-me desencorajado, amo e odeio, sinto-me mal quando me sinto bem, sinto-me culpado por não me sentir culpado. Sou confiante e desconfiado. Honesto e ainda assim insincero. Aristóteles diz que sou um animal racional; eu diria que sou um anjo com um incrível potencial para cerveja.

Viver pela graça significa reconhecer toda a história da minha vida, o lado bom e ruim. Ao admitir o meu lado escuro, aprendo quem sou e o que a graça de Deus significa. Como colocou Thomas Merton: “Um santo não é alguém bom, mas alguém que experimenta a bondade de Deus”.

O evangelho da graça nulifica a nossa adulação aos tele-evangelistas, superastros carismáticos e heróis da igreja local. Pois a graça proclama a assombrosa verdade de que tudo é de presente. Tudo de bom é nosso não por direito, mas meramente pela liberalidade de um Deus gracioso. A nós foram-nos dados Deus em nossa alma e Cristo na nossa carne. Temos poder de crer quando outros negam; de ter esperança quando outros desesperam; de amar quando outros ferem. Isso e muito mais é pura e simplesmente de presente; não é recompensa a nossa fidelidade, a nossa disposição generosa, a nossa vida heróica de oração. Até mesmo nossa fidelidade é um presente. “Se nos voltarmos para Deus”, disse Agostinho, “até mesmo isso é um presente de Deus”.

Em Lucas 18 um jovem rico vem até Jesus perguntando o que ele deve fazer para herdar a vida eterna. Ele quer ser colocado no centro das atenções. O ponto central de Jesus é o seguinte: não há coisa alguma que qualquer um de nós possa fazer para herdar o Reino. Devemos simplesmente recebê-lo como criancinhas.


Texto: trechos do primeiro capítulo do livro “O Evangelho Maltrapilho”,
de Brennan Manning

8 comentários:

paula barros disse...

Querida, estou perdida ainda com a atualização dos blogs. Uns lidos demais, outros de menos.

Adoro sua presença sempre, seu carinho.

Quanto a Lutero me lembrei de uma palestra assistida em Brasília que o historiador disse que para ele Lutero é São Lutero.

Durante esses dias já fui colocando fotos e contando um pouco de Brasília, vou ver o que coloco ainda. Quando volto, vou querendo colocar outras coisas.

beijo, ótima semana.

O Profeta disse...

Ó chamateia que fala da saudade
Ó canção que pões um brilho nos olhos
Ó mulher que tens a forma da viola
Ó que espalhas paixões aos molhos

E o cantar da meia-noite
A todos encanta e seduz
Cantar até que morra a voz
Cantar até que haja luz


Boa semana


Doce beijo

Uma aprendiz disse...

Oi, Paula

até que enfim te vejo por aqui kkkkkkkk

Saudades, amiga.

um grande beijo

Uma aprendiz disse...

Obrigada, Profeta, pela visita.

Uma linda semana pra ti.

beijo

Codinome Beija-Flor disse...

Aprendiz,
Se puder leia os que falei, tenho certeza que vai gostar e muuito.
Eu vou na sua dica também.
O que estou lendo agora foi presente de aniversário que minha filha me deu, chama-se: "Em busca da Liberdade" de Myles Munroe. . Ainda não sei se é de fato bom, estou bem início. Te aviso se for interessante.
Acho uma breve sinopse, veja:

"No livro Em Busca da Liberdade, Myles Munroe toma um de nossos maiores valores e abre novos caminhos com perspectivas que nos fazem refletir, dando uma compreensão intuitiva da razão pela qual a verdadeira liberdade é tão difícil, complexa e, não obstante tudo isso, alcançável.
Como o Dr. Munroe comenta, a verdadeira liberdade para os indivíduos e para nação só é possível quando entendemos e colocamos em prática os princípios estabelecidos pelo Criador.
Aprenda os segredos e soluções que o levarão à Terra Prometida de seu destino e propósito. Descubra:
A diferença entre opressão, libertação, independência e liberdade.
O pré-requisito para a verdadeira liberdade e como alcançá-la.
O propósito para os testes, provações e desafios, e a razão de não persistirem
Porque a prisão é mais atraente que a liberdade?
As demandas da verdadeira liberdade e como você pode qualificá- la
Este livro surpreendente o preparará, assim como sua comunidade e sua nação, para se livrar da prisão espiritual, mental, econômica e física, e finalmente, levá-lo à terra prometida da verdadeira liberdade.
Ele o treinará a pensar como um bom administrador, para que você possa alcançar os planos que o destino tem para você!
Prepare- se: é hora de você alcançar a liberdade. A sua liberdade!"

Bjos

Uma aprendiz disse...

Oi, linda

esse livro também ganhei de aniversário. kkkkkkkkk

Vou seguir suas dicas.

beijos

Isabel Cristina disse...

Nossa Teks seu filho mais novo, o " Reflexão e fé" cresceu hem... parabéns!!!!
bjussss

Uma aprendiz disse...

Obrigada, Bel, essa idéia foi sua.

beijos